A dança da intimidade exige coragem. Embora os filmes românticos e os contos de fadas retratem um amor que irrompe instantaneamente, a criação de uma conexão autêntica na realidade exige vulnerabilidade e a tomada de riscos emocionais por todos os envolvidos. Em vez de seguir roteiros pré-escritos, a verdadeira intimidade emerge dinamicamente da dança entre os parceiros à medida que compartilham, ouvem, revelam, aceitam e compreendem uns aos outros. Ao nos envolvermos conscientemente nessa dança, podemos cocriar relacionamentos com profundidade e significado.

O primeiro passo é reconhecer que a vulnerabilidade estimula a conexão. A extensa pesquisa de Brené Brown revela que viver e amar com todo o coração requer abraçar a incerteza, o risco e a exposição emocional envolvidos em sermos nós mesmos. Fechar-se ou esconder-se para manter-se “seguro” bloqueia a própria abertura necessária para a intimidade. A armadura criada para nos proteger da dor também impede o compartilhamento da alegria, da criatividade e do prazer espontâneo.

Sale
A coragem de ser imperfeito: Como aceitar a própria vulnerabilidade, vencer a vergonha e ousar ser quem você é
20,252 Reviews
A coragem de ser imperfeito: Como aceitar a própria vulnerabilidade, vencer a vergonha e ousar ser quem você é
Viver é experimentar incertezas, riscos e se expor emocionalmente. Mas isso não precisa ser ruim. Como mostra Brené Brown, a vulnerabilidade não é uma medida de fraqueza, mas a melhor definição de coragem.

O ponto de partida do amor é ter a coragem de tirar a máscara e conhecer o outro como realmente somos, em vez de como “deveríamos” ser. A disposição de sermos vistos emerge da autoaceitação cultivada por meio de nosso próprio trabalho de crescimento pessoal. A construição de nossa estrutura interna de autoconhecimento fornece a base segura necessária para nos abrirmos para outra pessoa sem perdermos nosso senso de alicerce e integridade.

Com essa base, a dança da intimidade começa. Cada pessoa revela sentimentos, necessidades, esperanças e medos e ouve com atenção, com a intenção de compreender verdadeiramente o mundo interior do outro sem julgamentos. Cada um se esforça para ver através das lentes da experiência do outro com compaixão. Isso requer desacelerar, prestar atenção e estar totalmente presente em vez de confiar demais na química inicial. Essa sintonia com nós mesmos, nossos padrões, feridas e capacidades permite a sintonia com a paisagem interna complexa e em constante evolução do outro a longo prazo.

Essa vulnerabilidade é recompensada por momentos em que somos profundamente vistos, cuidados e valorizados pelo outro. Entretanto, a consideração positiva do outro não é mais nossa única fonte de valor e estima. Nós nos tornamos testemunhas amorosas de nossa própria experiência. Quando essa segurança na autovalorização é alcançada, podemos confiar que o fato de nos revelarmos plenamente não nos deixará arrasados se a compreensão do outro não for o suficiente. Honramos nosso próprio amor.

A cocriação de relações significativas surge quando ambos se envolvem nessa dança corajosa de revelar, ouvir, aceitar e compreender. O relacionamento se torna o veículo por meio do qual cada pessoa evolui para uma expressão mais plena de seu potencial. Nos momentos de sintonia, nasce algo novo que não pertence a nenhum dos dois, mas ao espaço compartilhado entre eles. Esse é o “terceiro ser”, transcendente aos indivíduos envolvidos. Ele se manifesta no calor compartilhado durante conversas vulneráveis, em trocas animadas de ideias, projetos colaborativos, piadas internas e descobertas intermináveis do fascinante mundo interior de cada um.

Essa intimidade inigualável sustenta os relacionamentos durante os inevitáveis altos e baixos da vida. Com a segurança de serem genuinamente vistos e abraçados, as pessoas resistem aos desafios unidos. Essa história duramente conquistada de se revelar e ser aceito apesar das imperfeições gera confiança que libera cada um para assumir riscos e crescer. O relacionamento está em constante espiral ascendente em direção a uma nova intimidade.

Em uma cultura frequentemente focada na velocidade e na superficialidade, essa visão valoriza os relacionamentos como uma jornada que sempre se desenvolve. Em vez de decidir apressadamente que “esta é a pessoa certa”, ela reconhece que, se ambos permanecerem comprometidos com a corajosa honestidade consigo mesmos e com a compreensão mútua, o relacionamento se aprofundará organicamente ao longo dos anos. O objetivo não é mais “encontrar a pessoa certa”, mas cocriar uma conexão, independentemente da duração da nossa dança.

Para aqueles que buscam esses relacionamentos, o ponto de partida é:  conheça a si mesmo. Faça o trabalho pessoal para descobrir e aceitar quem você realmente é. Libere as crenças limitantes sobre como o amor “deveria” ser. Depois, com compaixão por seu próprio mundo interior e pelo mundo interior do outro, assuma o risco necessário para revelar, ouvir e compreender. Dê espaço para a vulnerabilidade um do outro. Espere momentos de desconexão, mas enfrente-os com mais revelação, não com uma armadura retraída. Ao retornar pacientemente à dança da intimidade repetidas vezes, criamos laços que resistem às tempestades da vida e alimentam o crescimento dos envolvidos. Esse é o propósito do amor.

A escolha de se envolver na dança da intimidade leva a laços que se aprofundam com o tempo. Portanto, anime-se: se estiver disposto a abraçar a coragem e a vulnerabilidade, você tem o poder de cocriar uma conexão mais brilhante e mais extraordinária do que jamais ousou sonhar. A dança o aguarda.

Categorized in: